SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. UM LABORATÓRIO ATLÂNTICO: DIÁSPORAS E DINÂMICAS LITERÁRIAS

Joseph Abraham Levi
The George Washington University
jalevi21@gwu.edu

Após uma breve, porém necessária, digressão pelos diferentes géneros de literatura oral são-tomense, neste trabalho concentrar-nos-emos na produção literária das Ilhas do Nome Santo antes, durante e depois da independência (1975). Apesar de, óbvia e inevitavelmente, o arquipélago possuir características com ecos em outras literaturas africanas, lusófonas e não — primae inter pares as de Cabo Verde e da Guiné-Bissau — São Tomé e Príncipe possui uma literatura (oral, escrita e híbrida) que a destaca das suas congéneres africanas, lusófonas em particular. Os intercâmbios transatlânticos entre o século XIV e o século XX também deixaram um marco indelével na produção literária dessa jovem nação africana. A deslocação e subsequente colonização europeia e o tráfico transatlântico (parte do mais abrangente comércio triangular), assim como as Diásporas e i(migrações) transcontinentais — impostas ou voluntárias — influenciaram os vários géneros e motivos literários são-tomenses, sobretudo os contos e as representações teatrais, talvez os melhores exemplos do encontro e da miscigenação de mais de duas culturas e línguas a unir três continentes. Consequentemente, o contacto polivalente entre todos os lados e todas as latitudes do mundo atlântico teve a sua contrapartida ao nível cultural. A literatura são-tomense, em língua portuguesa e/ou nos vários crioulos de base lexical portuguesa falados no arquipélago, é talvez fundamental para desvendarmos as dinâmicas que — durante quase cento e vinte lustros[1], na Europa e em África, e mais de cem lustros para as Américas — atraíram, repeliam e uniam três continentes e os seus habitantes.

Keywords: crioulos, diáspora(s), literatura (oral/escrita), miscigenação, teatro

Biography note: Doutorado em Filologia/Linguística Românica (Português, Italiano e Espanhol Medieval) pela University of Wisconsin, em Madison, Wisconsin, EUA. O Dr. Levi também possui uma Laurea em Suaíli, Árabe e Estudos Islâmicos pelo Istituto Universitario Orientale, Nápoles, e uma Licenciatura em Língua Portuguesa e Estudos Lusófonos/História dos Descobrimentos e da Expansão Portuguesa Universidade de Lisboa. As publicações, a investigação e os interesses académicos do Dr. Levi concentram-se nas seguintes áreas: Língua Portuguesa; Língua Italiana; Culturas, Literaturas, História e Civilizações Portuguesas, Brasileiras e Lusófonas; Filologia, Linguística e Dialectologia Românica (Português, Italiano e Espanhol Medieval); Estudos Medievais; Estudos Sefarditas e Italki (Judeus Italianos); Missionários em África e Ásia (séculos XVI-XVIII); Protestantismo no Mundo Lusófono; Estudos Africanos e Islâmicos. Contudo, a maioria das publicações do Dr. Levi abrange a língua portuguesa e o mundo lusófono, suas verdadeiras paixões.


[1] Apesar de a Época dos Descobrimentos ter oficialmente iniciado em 1415, com a tomada de Ceuta, os navegadores portugueses, com a preciosa ajuda de marinheiros genoveses e pisanos, começaram a explorar os mares já durante o fim do século XII. Vejam-se, entre outros: Joseph Abraham Levi. “Gastronomia macaense: Sinal de identidade entre dois mundos”, in Food-Scape, Swiss Chinese Cultural Explorations. Eds. Margrit Manz e Martin Zeller. Hong-Kong: MCCM Creations, 2009. 112-114; C. Raymond Beazley. Prince Henry the Navigator: The Hero of Portugal and of Modern Discovery 1394-1460 A.D. With an Account of Geographical Progress Throughout the Middle Ages As the Preparation for This Work. Nova Iorque: G.P. Putnam’s Sons, 1895; Joaquim Bensaúde. L’Astronomie nautique au Portugal à l’époque des Grandes Découvertes. Berna: Drechsel, 1912; Henrique Braz. Descoberta pré-colombina de terras da América: João Vaz Côrte-Real e Álvaro Martins homem). Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira, no. 2. Angra do Heroísmo: Tipografia Andrade, 1944; Eduardo Brazão. A descoberta da Terra Nova. Lisboa: Agência-Geral do Ultramar, 1964; Armand D’Avezac. Notice des découvertes faites au moyen-âge dans l’Océan atlantique, antérieurement aux grandes explorations portugaises du 15. siècle. Paris: Fain & Thunot, 1845; Morison, Samuel Eliot Morison. Portuguese Voyages to America in the Fifteenth Century. 1940. Harvard Historical Monographs, 14. Nova Iorque: Octagon Books, 1965; Tryggvi Julius Oleson. Early Voyages and Northern Approaches, 1000-1632. 1963. Canadian Centenary Series. McClelland & Stewart. Oxford: OUP, 1964; Edgar Prestage. The Portuguese Pioneers. Londres: A. & C. Black, 1933.

Advertisements