AS ILHAS E O CONTINENTE: UMA LEITURA DA OBRA POÉTICA DE CONCEIÇÃO LIMA

Jessica Falconi
CES – Centro de Estudos Sociais
Universidade de Coimbra
UNIOR- Nápoles
jessica-77@libero.it

Do ponto de vista histórico e histórico-literário, é um dado adquirido que a literatura e outras formas de expressão artística tiveram um papel central na formação do pensamento anticolonial, quer para os movimentos transnacionais do panafricanismo e da negritude, quer para a sucessiva particularização dos nacionalismos africanos, como no caso dos movimentos de libertação das ex-colónias portuguesas em África. Pense-se, neste caso, à contribuição de construções identitárias de cariz literário, como a angolanidade, a moçambicanidade, a são-tomensidade, para a formação da consciência nacional que haveria de estar subjacente aos projectos de libertação nacional.

Por outro lado, o laço entre expressão artística e afirmação identitária e política tem vindo a ganhar um alcance teórico crucial com o surgimento de teorias e áreas de estudos – como é o

caso dos estudos pós-coloniais ou os estudos feministas – que abordam a expressão artística pelo modo como ela desloca perspectivas e discursos oficiais ou hegemónicos, no intuito não tanto de fundar novas utopias emancipatórias, quanto de multiplicar os ângulos de visão e o direito à representação. Neste sentido, as produções culturais são objectos de interesse e “fontes” que transcendem cada vez mais as fronteiras disciplinares, na medida em que estimulam a reflexão teórica sobre conceitos e fenómenos cruciais da contemporaneidade global.

Por outro lado, no domínios das literaturas africanas, o laço entre obra literária e questão identitária, inserida na mais ampla relação entre texto e contexto, é um eixo estruturador da maioria das abordagens críticas destas produções, pelo que a convocação de outros saberes é uma prática bastante difusa.

É evidente que o texto literário remete para um duplo movimento, na medida em que ele é gerado pelo contexto – histórico, político – e potencialmente “gerador” de um contexto – de afirmação identitária e política, ou de revisão de discursos e representações.

É na articulação destas perspectivas que pretendemos abordar alguns aspectos da obra poética de Conceição Lima, uma obra que revisita a história colonial e o passado recente do país, dialogando quer com a tradição literária são-tomense, quer com os ideais do panafricanismo e da negritude.

Se por um lado a sua obra se prende com as especificidades do espaço são-tomense – a roça, o trabalho forçado, a heterogeneidade linguística – por outro lado, estas especificidades remetem para dinâmicas e fenómenos que adquirem alcance global de que as problemáticas da raça, da etnia, do hibridismo e da crioulidade constituem o contraponto teórico. Por outro lado, ao reinventar laços históricos, culturais e identitários, o olhar de C. Lima reinsere constantemente São Tomé e Príncipe numa geografia continental, numa geografia africana.

Keywords: Conceição Lima, poesia, memória

Biography note: Jessica Falconi é investigadora de Pós-doutoramento no Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra, com o projecto Categorias em viagem: para uma cartografia dos Estudos das Literaturas Africanas de Língua Portuguesa, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia e supervisionado por Margarida Calafate Ribeiro (CES) e Simone Pereira Schmidt (Universidade Federal de Santa Catarina).
Actualmente é docente de Literatura Portuguesa e Brasileira na Università degli Studi di Napoli “L’Orientale”, onde desenvolve actividade de orientação de teses de licenciatura e mestrado. É membro da equipa de investigação do projecto Nação e Narrativa Pós-colonial coordenado por Ana Mafalda Leite e financiado pela FCT.
Os seus interesses de investigação incluem estudos pós-coloniais e literaturas africanas de língua portuguesa, com particular enfoque na literatura moçambicana e na recepção crítica das literaturas africanas.
Tem publicado vários artigos em revistas internacionais e publicou em Itália a sua tese de doutoramento, com o título Utopia e conflittualità. Ilha de Moçambique nella poesia mozambicana contemporanea (Aracne, 2008), financiado pela Universidade de Nápoles “L’Orientale”.