AS ILHAS SOB A PELE DA LINGUAGEM: A POÉTICA DE CONCEIÇÃO LIMA

  

Naduska Mário Palmeira
Ministério das Relações Exteriores/CAPES/Brasil
Instituto Superior Politécnico de São Tomé e Príncipe

naduskam@gmail.com

Este trabalho tem como objetivo apresentar a poética da escritora Conceição Lima, natural de São Tomé e Príncipe, que realiza, em sua obra – O útero da casa, de 2004, A dolorosa raiz de micondó, de 2006/08, e O país de Akendenguê, lançado em 2011 –, uma trajetória inovadora para o contexto das artes literárias de são-tomenses. Busca-se, pois, reler a ilhas a partir de uma poética que parece projetar a Terra sonhada de São Tomé e Príncipe como se, no corpo da linguagem, a autora buscasse re-encontrar a sua própria Casa, ou defrontar-se e conciliar-se com a sua própria identidade.

A trajetória desbravadora de Conceição Lima pode ser fruto de uma imposição histórica – que impulsionou os intelectuais das ex-colônias ao exílio (ainda que não tenha sido “forçado”, no caso da poetisa, ou, indo mais longe, ainda que não tenha sido físico, noutros casos) – e também fruto de uma perspectiva ontológica – que impõe ao sujeito o paradoxo de permanecer e, ao mesmo tempo, partir de sua terra originária.

A fim de propor uma leitura pelo interior desta poética e buscar marcas das veredas identitárias e de reconstrução da terra natal ou retorno ao lugar originário que Conceição Lima percorre, é preciso viajar pela Casa de seu Ser, pontualmente, pela poética da obra O útero da casa, já que em A dolorosa raiz do micondó o sentido de identidade e de busca da africanidade – e não apenas da são-tomensidade – amplia-se a uma busca mais coletiva que íntima, mais africana que são-tomense, e em O país de Akendenguê a poetisa canta sua relação com a África e as pessoas que nasceram de seus encontros com as artes, os amigos, as referências afetivas e políticas, e, sobretudo, traduz em versos/cantos a sua referência musical, figurada no gabonês Pierre Akendenguê.

Como ponto de partida, não é de se estranhar que seja esta, O útero da casa, a primeira obra – muito embora não seja a primeira manifestação literária da poetisa –, uma reunião de poesias que são uma espécie de relato íntimo do parto da Nação e das Pessoas que pairam sobre a terra e suas referências míticas (como a figura do Rei Amador, por exemplo).

Keywords: Poética das ilhas, Conceição Lima

Biography note:
Naduska Mário Palmeira fez Letras na Universidade Federal de Juiz de Fora, em Minas Gerais, Brasil, e mestrado em Estudos Literários na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.v Atualmente, é leitora do Brasil no Instituto Superior Politécnico de São Tomé e Príncipe, onde leciona literaturas africana e brasileira e orienta, na área de literatura, monografias de licenciatura em Língua Portuguesa.
Desenvolve projetos literários voltados para a comunidade no Centro Cultural Brasil – São Tomé e Príncipe, na Embaixada do Brasil.
Os seus interesses são os estudos da literatura são-tomense, com enfoque na poesia de Conceição Lima, e também a investigação acerca de cultura e identidade são-tomenses no período pós-colonial.
Está vinculada, desde setembro de 2009, à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES-Brasil) e à DPLP (Divisão de Promoção da Língua Portuguesa), que pertence ao Departamento Cultural do Itamaraty (Ministério das Relações Exteriores – Brasil)