HISTÓRIA DE UMA FAMÍLIA, HISTÓRIA DE UMA NAÇÃO: A CRIOULIZAÇÃO NA FORMAÇÃO DA SOCIEDADE DE SÃO TOMÉ

Arlindo Manuel Caldeira
CHAM – Centro de História de Além-mar
FCSH-UNL

arlindo.mc@mail.telepac.pt

Em 1781, João Álvares de Carvalho, cónego em São Tomé, veio a Lisboa pedir a dignidade de chantre ou de arcediago, lugares que se encontravam vagos na sé da ilha. O cónego era filho do capitão-mor Francisco de Alva Brandão e de sua mulher Teresa Álvares de Jesus. O avô materno, seu homónimo, tem uma história longa. Nasceu a bordo de um navio negreiro, filho de uma concubina do rei de Oere (Warri), vendida como escrava. Veio porém a receber toda a fortuna, que era grande, do seu pai adoptivo, João Álvares da Cunha, cuja família remontava à lendária Ana de Chaves e à primeira vaga de povoadores. Uma família que cresceu com a ilha e onde, desde cedo, se cruzaram europeus (cristãos-novos e cristãos-velhos) e africanos (escravos e não escravos).

Do lado paterno, os Alva Brandão eram também uma reputada família da ilha, embora de cepa reconhecidamente cristã-nova. Há-de ser por isso que o cónego, quando elabora a sua genealogia abonatória para o cargo que se propunha ocupar, esquece os seus ascendentes desse lado, ainda que valorizando a actuação do pai como juiz ordinário na Câmara local e como Tesoureiro dos Defuntos e Ausentes. No entanto, o ramo que ele verdadeiramente destaca é o do avô materno, através do qual se considera, bisneto de D. Luís Coimbra, príncipe hereditário do reino de Oeri e de sua mulher, Teresa dos Anjos, cristãos-velhos “e porque um e outro eram pretos não cabia, naquela cor, nenhuma infecta nação nem suspeita”.

O que pretendemos nesta comunicação é, recuando na genealogia do cónego João Álvares de Carvalho e, quando necessário, avançando além da sua época, vermos, mais do que a história de uma família, a genética de uma nação. Discutiremos, a propósito, o conceito de crioulização e a validade, ou não, da sua aplicação, no seu mais lato sentido bi-direccional, ao processo de desenvolvimento da sociedade são-tomense.

Keywords: São Tomé, Família, Diversidade cultural, Crioulização

Biography note: Licenciado em História, é investigador do Centro de História de Além-Mar (Universidade Nova de Lisboa/Universidade dos Açores). Nos últimos anos tem-se dedicado sobretudo à investigação de temas relativos a Angola e às ilhas do golfo da Guiné (em particular São Tomé e Ano Bom), sobre os quais tem vários estudos publicados.

Advertisements